quinta-feira, 10 de março de 2011

Eu e meus sentimentos

Tosse, tempo meio abafado, mosquitos chatos e uma puta dor de cabeça.
O que escrevo esta cada dia pior de se entender, não digo por ser ruim na idéia e sim nas letras: estão horríveis. Papel velho e uma caneta que mais falha do que escreve ajuda bastante e mesmo assim eu continuo tentando me explicar por aqui de uma forma erronia e sem cabimento nenhum. Mas hoje vou deixar toda essa cerimônia de lado e vou direto ao assunto: eu e meus sentimentos. A dor de cabeça é passageira e eu só espero que ela não leve consigo os meus pensamentos. Outro dia mesmo me perguntei por que já amei tanto nessa vida, se amar trás tanta dor de cabeça, e a resposta que tive, foi: Sou tolo! Amei sem ser amado e quando fui amado não amei. Meu amor foi sempre assim como eu, sem rumo e nem sentindo algum, amava de hora em hora e se mudava feito o vento que vem do leste-norte-sul-oeste e outros mais sem se importar com a sequência correta com que deveria seguir. A atenção que me era dada me fazia apaixonado por um ou dois dias e logo depois me apaixonava por um outro qualquer olhar atencioso. Foi assim e assim continuou sendo por tempos em que eu pensei não ter fim. – E eu ainda acreditava que era feliz. – Mas o tempo também tem seu fim e como todo fim o meu tempo trouxe com ele um novo começo (Assim como ao fim das seis horas o inicio das sete vem em seguida). E todo inicio é complicado, mas esse chegou a ser mais complicado que aprender a andar de bicicleta sem aquelas rodas de apoio. Assim como é complicado tentar colocar uma gota de limão na boca e não fazer caras e bocas. Não quero dizer que o novo começo tenha sido azedo ou ruim, porém, eu jamais pensei ser capaz de me adaptar a um amor-nascente-verdadeiro. Da mesma forma que jamais pensei me aceitar com essa barba falhada e que teima em crescer sem jeito. Mas cada dia que nasce com o sol ou sem ele me trás a oportunidade de provar novamente o inesperado do amor que tenho cultivado em um canto reservado do meu moinho velho, e esse dia que passa e trás uma noite sem-fim, me coloca deitado na cama meio desarrumada só para sentir o cheiro de cada lembrança escondida em baixo do cobertor xadrez que usamos na ultima semana.

2 comentários:

  1. Opa Fernando, tudo bom?
    Espero que sim!
    Passando para agradecer sua atenção e por, de certa forma, divulgar meu texto.
    Não estou com muito tempo ultimamente para postar ou ler os blogs dos seguidores e tudo mais, porem, assim que der olharei seu blog e irei retribuir o que fez.
    Obrigado e fica bem!
    Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Opa eu que agradeço, realmente gostei muito desse seu texto e da maneira como você escreve, aliás não só eu como os leitores também (esse é o quarto texto mais lido do meu blog), continue assim, pois está de parabéns (:

    ResponderExcluir

Se identificou com o texto? Conte-nos sua história, nos mostre um pouco dos pensamentos e sentimentos que estão guardados ai neste teu peito enferrujado, desabafe.

Ou apenas venha dizer um olá e quem sabe dividir um copo de café conosco (: