domingo, 13 de março de 2011

A menina e as nuvens

Era época de outono, as folhas caiam de suas árvores, fazia-se uma temperatura amena, e os dias nublados era algo comum naquela época do ano (como em toda outra estação de outono). Havia uma pequena menina de nome Elisa, tinha longos e belos cabelos dourados, levemente encaracolados. Possuía um rosto realmente muito bonito, pouco comum para a sua idade. Tinha por volta de seus 8 ou 10 anos, morava com sua mãe em uma casa de tamanho mediano, na periferia da cidade e adorava quando as pessoas encurtavam o seu nome e a chamavam apenas por "Li"  (Seu pai a colocara esse apelido a muitos anos atrás, mas por hora, não convêm se aprofundar nessa parte da historia). Sempre ao final de todas as tardes daquele singelo outono, a menina deitava-se no gramado do quintal de sua casa - era um quintal grande e espaço, um lugar muito bom para se passar a tarde – e ficava lá, apreciando as nuvens, apenas olhando e admirando. Permanecia lá até mais ou menos a hora do por do sol, hora essa em que entrava para dentro de casa (pois era geralmente também a essa hora em que o jantar de sua casa ficava pronto). Sua mãe estava sempre a cozinhar por essas horas, estava sempre com pressa de aprontar o jantar - pois ainda havia ainda muitos afazeres domésticos a se fazer - enquanto cozinhava, ela sempre ficava a assistir a filha da janela, o que acabou despertando a sua imaginação, pois sempre observava a filha pela janela. E ficara muito curiosa com aquela cena, queria saber o porquê daquele fascínio que a menina tinha com as nuvens, mais nunca o perguntara a filha o porquê, talvez por vergonha de questionar-la ou mesmo porque como disse, estava sempre ocupada demais em preparar o jantar.
O fato é que a menina continuou com o seu inusitado ritual de admirar as nuvens aos fins de tarde, e com isso a curiosidade da mãe só aumentara (pois de fato, acabou também se tornando uma espécie de rotina para a mãe espiar a filha pela janela de sua cozinha), e cada vez mais e mais foram se passando os dias...
E foi assim, dia após dia, a menina deitada no gramado olhando para o céu, e a mãe na cozinha observando a sua filha pela janela - é difícil de descrever a relação da menina com as nuvens, mas parecia até que elas exerciam algum tipo de influência sobre a menina, algo quase que hipnotizante – era como se fosse um filhote de pássaro que nasceu trancafiado em um cativeiro, e que teve suas asas cortadas para que não se pudesse mais voar, e do chão olhava para os outros pássaros que voavam pelo céu e o mesmo sentia certa tristeza, misturada com doses maciças de saudades, pois mesmo que nunca tivesse voado em sua vida e não lhe houvesse lembrança alguma de sua vivência naquele cenário celestial (cenário este, que ele tanto admirava) no fundo, ele sabia que pertencia aos céus – algo como um instinto – e que por mais confortável ou até mesmo feliz que fosse sua vida, sabia que a terra não era seu lugar, que lhe faltava algo, sentia-se um ser incompleto. E era desse jeito que a menina parecia se sentir em relação às nuvens, a ligação entre elas era como a do pássaro com o céu, parecia que a menina um dia já pertencera a aquelas nuvens, parecia que ela já fizeste parte daquele céu, e era isso que intrigava tanto a sua mãe, ela já havia visto muitas pessoas com um fascínio pelo mar ou até mesmo pelos planetas e as estrelas – O que até então achava normal, pois desde criança essas coisas de certa forma sempre a atraíra – mas nunca havia visto alguém que possuísse tamanho deslumbramento por tais coisas, e muito menos ainda, alguém que sentisse encanto pelas nuvens...

CONTINUA...

Um comentário:

Se identificou com o texto? Conte-nos sua história, nos mostre um pouco dos pensamentos e sentimentos que estão guardados ai neste teu peito enferrujado, desabafe.

Ou apenas venha dizer um olá e quem sabe dividir um copo de café conosco (: